Programa Internacional de Residências

O Programa Internacional de Residências do Instituto Inclusartiz tem como objetivo promover o intercâmbio cultural entre o Brasil e outros países para incentivar colaborações entre instituições, organizações e diferentes agentes culturais. Atualmente o Instituto Inclusartiz oferece residências artísticas no Rio de Janeiro e em Londres, em parceria com a Delfina Foundation. 

Nas residências artísticas no Rio de Janeiro, o Instituto Inclusartiz recebe artistas, curadores ou pesquisadores internacionais que queiram pesquisar diferentes aspectos do país, inserir-se na comunidade artística local, desenvolver trabalhos e formar colaborações no Brasil. A partir de 2020, as residências artísticas no Rio de Janeiro passam a receber também artistas brasileiros fora do eixo Rio-São Paulo que queiram aprofundar suas pesquisas, estabelecer colaborações e produzir novos trabalhos. 

Para os artistas brasileiros, o Instituto Inclusartiz, em parceria com a Delfina Foundation oferece uma residência de três meses a um artista brasileiro em Londres com intuito de contribuir para o aumento da presença de artistas brasileiros no cenário global e posicionar práticas artísticas locais em diferentes contextos e perspectivas.

Residências Artísticas no Rio de Janeiro

O Programa Internacional de Residências do Instituto Inclusartiz no Rio de Janeiro recebe artistas, curadores ou pesquisadores internacionais que queiram pesquisar diferentes aspectos do país, inserir-se na comunidade artística local desenvolver trabalhos e formar colaborações no Brasil. A partir de 2020, as residências artísticas no Rio de Janeiro passam a receber também artistas brasileiros fora do eixo Rio-São Paulo que queiram aprofundar suas pesquisas, estabelecer colaborações e produzir novos trabalhos. 

Os residentes convidados ficam uma temporada de até quatro semanas no Rio de Janeiro com acompanhamento curatorial e assistência de pesquisa. As residências são direcionadas à pesquisa, ao acompanhamento de projetos e desenvolvidas de acordo com o interesse e a necessidade de cada residente. Como parte do programa de residência, são organizadas diferentes atividades educativas como workshops, palestas e leituras de portfólios com estudantes de arte de escolas e universidades do Rio de Janeiro com o intuito de aumentar a troca entre os residentes e a comunidade artística local.

Desde a sua fundação, o Programa Internacional de Residências do Instituto Inclusartiz já recebeu mais de trinta artistas e curadores, entre eles: Leslie Sardinias (Cuba), Martin Creed (Reino Unido), Guler Ates (Turquia), Oscar Murillo (Colômbia), Dalila Gonçaslves (Portugal), Cristina de Middel (Espanha), Jennifer Pattison (Reino Unido), Anna Franceschini (Itália), João Laia (Portugal), Christopher Page (Reino Unido), Chris Sharp (EUA), Prem Sahib (Reino Unido), Milovan Farronato (Itália), Joanna Piotrowksa (Polônia), Germano Dushá (Brasil), Hans Ulrich Obrist (Suiça), Amanda Abi Khalil (Líbano), Ahmad Ghossein (Líbano), Matias Duville (Argentina), Pablo León de la Barra (México), Rodrigo Hernández (México), Maria do Carmo M. P. de Pontes (Brasil), Valeska Soares (Brasil), Gerda Steiner e Jorg Lenzlinger (Suiça), Yuko Hasegawa (Japão), Eduardo Navarro (Argentina), Diana Campbell Betancourt (EUA), Lisa Le Feuvre (Reino Unido), Charlotte Prodger (Reino Unido) e Matthew Lutz-Kinoy (Reino Unido).

Residências Artísticas em Londres

O Instituto Inclusartiz em parceria com a Delfina Foundation oferece anualmente uma residência de três meses a um artista brasileiro em Londres com o intuito de contribuir para o aumento da presença de artistas brasileiros no cenário global e posicionar práticas artísticas locais em diferentes contextos e perspectivas. 

Fundada em 2007, a Delfina Foundation é uma fundação independente, sem fins lucrativos, com sede em Londres, que promove intercâmbios artísticos e experimentação por meio do seu programa de residências, exposições e eventos. A fundação proporciona plataforma para residentes refletirem sobre suas práticas, posicionarem seus trabalhos dentro de um discurso de relevância global e desenvolverem pesquisas artísticas. O incentivo à colaboração entre artistas, curadores, comunidades e instituições se dá por meio da extensa rede de network local e internacional da fundação. Durante a residência, os artistas participam da cena artística de Londres e de uma programação semiestruturada. Os residentes recebem assistência individual para desenvolver pesquisas, participar de discussões e ações coletivas com outros residentes, além de obter orientação por meio de visitas de curadores institucionais e independentes.

Em 2018, o processo seletivo da residência era somente para artistas do Rio de Janeiro que tivessem sido indicados por curadores locais e internacionais. Em 2019, o processo seletivo da residência era para artistas da região Nordeste do Brasil que tivessem sido nomeados por curadores locais e internacionais. Em 2020, propôs-se uma chamada aberta para artistas da região Norte do Brasil. A decisão será feita pela Delfina Foundation. 

Residentes anteriores: Ana Lira, Maxwell Alexandre e Vivian Caccuri.

Próximos Residentes